Foto-01

A história da Alpargatas

Antiga presença

Dona da marca Havaianas, uma referência da moda brasileira no mundo, entre outras marcas, a Alpargatas comemora, hoje, nada menos que cem anos na Bolsa de Valores de São Paulo – tempo de existência considerado quase que um milagre da perpetuidade para qualquer empresa. Grandes guerras, crises econômicas, crises de gestão e de consumo foram alguns dos cenários enfrentados durante este período pela companhia de calçados, consagrada como uma das brasileiras percursoras da difícil arte de tornar-se um negócio global.

Conheça, a seguir, um pouco mais da história da Alpargatas.

Começo de tudo

A história da companhia começa em 3 de abril de 1907 com a vinda da Argentina para o Brasil do escocês Robert Fraser, investidor que se une a um grupo de empresários, para a criação da Sociedade Anonyma Fábrica Brazileira de Alpargatas e Calçados. A companhia, que depois passaria a se chamar São Paulo Alpargatas, começou com uma fábrica na Mooca, zona leste da capital paulista, para a produção de calçados para trabalhadores na colheita de café. Hoje, a empresa é controlada pela Camargo Corrêa, dona de pouco mais de 30% do capital votante.

Primeiros desafios

Em 1910, os calçados para lavouras de café impulsionam os negócios da empresa, que acaba tendo de estrear na Bolsa de Valores, com a intenção de captar mais recursos e investir na ampliação das operações. Porém, com a Primeira Guerra Mundial, as dificuldades financeiras, falta de matéria-prima e gripe espanhola, que deixa metade dos empregados da fábrica doentes, atrapalham os negócios. No fim da década de 20, a crise econômica provocada pela superprodução de café e pela quebra da Bolsa de Valores de Nova York faz cessar a produção das Alpargatas Roda, um dos calçados mais acessíveis e populares do País.

Novas marcas

Enquanto muitas empresas fechavam suas portas, a companhia decide investir ainda mais nos negócios e retoma a fabricação da Alpargatas Roda. Passa também a fornecer mochilas, barracas e fardas aos combatentes da Revolução de 1932. Depois de atravessar outro grande desafio, com a Segunda Guerra Mundial, a companhia lança sua primeira calça jeans, a Rodeio. Na década de 50, os modelos de tênis Conga e Bamba Basquete são lançados, assim como a lona Sempreviva. Os lançamentos seguem com as calças de brim Far West, na década de 60, as botas de borracha Sete Léguas para trabalhadores da agricultura, agropecuária e construção civil no ano seguinte e a Havaianas, um ano depois.

Não deformam

Criada em 1962, a marca Havaianas foi, desde o começo, um sucesso de vendas entre as pessoas que recorriam ao tal chinelo de dedo para ficar em casa. As vendas perderam fôlego nos anos 80, mas foram relançadas em 1994, com outro enfoque. Os produtos reapareceram com tons monocromáticos e, três anos depois, em versões de uma infinidade de cores para deixar de ser funcional e se tornar um acessório de moda. O marketing em cima das “únicas que não deformam” ajudou bastante. Missão cumprida com sucesso dentro e fora do país, onde o produto ganhou destaque a ponto de ser usado por celebridades de todo mundo.

Em 2009, a marca ganha sua primeira loja conceito: o Espaço Havaianas, na Rua Oscar Freire, badalado endereço da capital paulista.

Marcas esportivas

A empresa inaugura fábricas de Norte a Sul do País e entra no segmento de artigos esportivos com o lançamento da marca Topper e a compra da Rainha em 1979, no mercado brasileiro desde 1934. Inaugura, anos depois, uma fábrica na Paraíba, e lança as sandálias Samoa (descontinuada em 2003) e o jeans Top Plus. Além do relançamento da Havaianas, a Alpargatas licencia, na década de 90, as marcas Timberland, especializada em esportes de aventura, Mizuno, tênis voltado para adeptos do atletismo, o calçado Kichute, e a Nike (cuja licença da marca ficou em seu poder até 1994.

A reforma

A partir de 1998, a empresa interrompe um longo processo de declínio iniciado nos anos 80 e volta a dar lucro. Mudanças de processos e cortes de custos e pessoas aconteceram depois do resultado de uma análise dos donos da empresa com a consultoria McKinsey e a implantação de um programa intitulado Avaliação do Valor de Atividade – apelidado internamente de Adeus aos Velhos Amigos pelos funcionários. Nesta etapa, o número de empregados foi reduzido de 14.500 para 10.500 e a empresa foi dividida, como hoje, em unidades de negócios.

Negócios globais

O sucesso da Havaianas, e a estabilidade do cenário mundial, abriu para a Alpargatas a oportunidade de replicar o sucesso das vendas do produto de dentro para fora do Brasil. Dentro da estratégia de virar global, a companhia inaugurou, em 2007, um escritório em Nova York. Também adquiriu 60% da operação na Argentina, além da pernambucana Dupé, assumindo a liderança do segmento de sandálias no país. Em 2008, inaugura escritórios comerciais na Espanha e, no ano seguinte, no Reino Unido, França e Itália.

Compra da Osklen

Em novembro de 2010, a empresa comprou 30% da brasileira Osklen, com opção para mais 30%. A marca adquirida, já famosa internacionalmente, continuou sob a coordenação de criação e estilo de seu fundador, Oskar Metsavaht, e a intenção era repetir com a Osklen o sucesso mundial de Haiavanas.

Novo posicionamento

Em 2009, a Topper ganha um novo posicionamento. A ideia é fazer dela uma marca unissex, voltada para vários esportes, como tênis e rugby. Mas também mantê-la no promissor mercado de futebol, com o patrocínio dos clubes Atlético Mineiro, no Brasil, o Estudiantes, na Argentina, além de craques brasileiros como os goleiros Marcos, do Palmeiras, e Marcelo Lomba, do Flamengo. No ano seguinte, passa a patrocinar a Seleção Brasileira de Rugby.

Mais mudanças

A empresa reforça o enfoque na comercialização de calçados e artigos esportivos e vende a operação Locomotiva e os respectivos ativos do negócio. De São Paulo Alpargatas passa a se chamar Alpargatas e, seguindo o caminho da globalização, transfere sua sede e rejuvenesce a imagem institucional. Em 2011, a Alpargatas detém 91,5% do capital das operações na Argentina e vira líder do mercado de calçados na América Latina. Para analistas de mercado, a compra da Osklen é só o começo do quanto a empresa ainda pretende investir lá fora.

Fonte: Exame