A Ambev, maior fabricante de cervejas do país, anunciou ontem a compra da cervejaria Colorado, sediada em Ribeirão Preto e com faturamento de R$ 18 milhões por ano. O valor da operação não foi revelado.

Esta é a segunda aquisição de pequenos concorrentes feita pela companhia neste ano. Em fevereiro, a Ambev adquiriu a mineira Wälls, que foi incorporada à Cervejaria Bohemia, dando origem a uma nova empresa. A Colorado junta-se agora à Wälls, dentro da Bohemia. A Cervejaria Bohemia tem uma fábrica em Petrópolis (RJ) e uma em Belo Horizonte (MG). Os donos da Wälls, Tiago Carneiro e José Felipe Carneiro, têm uma participação acionária na nova empresa criada pela Ambev para comprar pequenas cervejarias.

A Ambev segue a estratégia da controladora AB InBev, que desde o fim do ano passado vem comprando microcervejarias nos Estados Unidos. As marcas artesanais nos EUA já respondem por 12% das vendas totais de cerveja. No Brasil, a fatia é menor, próxima a 1%, segundo a Euromonitor. A consultoria estima que esse segmento vai dobrar de tamanho até 2020.

A aquisição da Colorado não produz um efeito significativo no desempenho produtivo da Ambev. A Colorado produz entre 150 mil e 200 mil litros de cerveja por mês, ou 0,02% da produção mensal da Ambev. A compra, no entanto, amplia o portfólio de cervejas especiais, que oferecem maior rentabilidade e ajudam a entregar dividendos maiores aos acionistas. Para se ter uma base de comparação, o preço médio da Colorado é o dobro do preço da Brahma e muito próximo da Budweiser.

No primeiro trimestre, a Ambev registrou crescimento de 10,4% no lucro líquido, para R$ 2,81 bilhões. O volume de vendas cresceu 0,5%, impulsionado pelos segmentos “premium” (com marcas como Budweiser e Corona) e “near beer” (produtos como a Skol Beats Senses, bebida com sabor limão feita com cerveja destilada, e a Brahma 0,0%, sem álcool). A participação de mercado da Ambev ficou estável em 67,5%, segundo a consultoria Nielsen.

Pelo acordo firmado entre as empresas, Marcelo Carneiro, fundador da empresa, continuará à frente do negócio, “se dedicando, principalmente, à inovação e busca por novas receitas e sabores”, de acordo com comunicado. A Ambev informou que seguirá apostando em ingredientes brasileiros na cerveja artesanal fabricada pela Colorado, como café, rapadura, mandioca, mel e castanha do Pará.

A Ambev informou que vai ampliar a distribuição da Colorado no país. “Estou muito animado com a oportunidade de alcançar meu sonho junto com o pessoal da Cervejaria Bohemia. Quando fundei a Colorado, há 20 anos, sempre quis dar um toque nacional às receitas, criar uma escola brasileira de cerveja, como existe a alemã, a belga. E, sei que juntos vamos tornar isso realidade”, disse Carneiro em comunicado.

A Colorado vai manter a produção em Ribeirão Preto (SP) e seus funcionários serão absorvidos pela Ambev. As receitas serão mantidas e supervisionadas pelo fundador da Colorado. As empresas informaram também que, com a união, criam a quinta escola cervejeira mundial – a brasileira (ao lado da belga, alemã, inglesa e americana). “Uma escola pautada pela exploração de nossa riqueza cultural e pela presença de ingredientes nacionais nas receitas.”

Fonte: Valor Econômico