Os empresários das grandes companhias de mídia e entretenimento no mercado global enxergam um novo impulso para as fusões no setor no mundo todo. O Media & Entertainment Capital Confidence Barometer, estudo da EY (nova marca da Ernst & Young) que mostra a confiança e perspectivas da indústria, destaca que 34% dos executivos estão mais confiantes na possibilidade de fechar negócios, contra 23% no ano passado. O clima de otimismo é resultado também da melhora na percepção da economia global: 64% acreditam que o cenário está melhorando, aumento de cinco pontos percentuais em relação ao ano passado.

A EY aponta que as duas maiores tendências que devem afetar as aquisições são transformação digital (para 61% dos entrevistados) e questões relacionadas ao futuro do trabalho (para 43%). A pesquisa foi feita com 60 executivos de grandes empresas do setor de mídia e entretenimento.

Para 52% dos executivos ouvidos no estudo, a expectativa é que os negócios do próximo ano sejam maiores que US$ 251 milhões, contra 21% no ano passado.

A confiança é alta também no quesito disponibilidade de crédito, a mais alta em cinco anos e que servirá de boa base para uma sólida plataforma de operações. Para 85% dos entrevistados, a disponibilidade de crédito ficará estável ou aumentará.

Apesar da nova força para as fusões, 92% dos executivos acreditam que as instabilidades política, regulatória e dos mercados emergentes serão os maiores riscos econômicos para seus negócios no próximo ano. “No entanto, os benefícios dos mercados emergentes, especialmente o crescimento da população de renda média, prevalecem sobre os desafios”, afirma Fábio Pires, sócio de transações corporativas da EY.

Segundo ele, os principais destinos das companhias de mídia e entretenimento são China, Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido e Índia.

Mesmo com o cenário positivo, há também cautela: 21% dos respondentes afirmam que vão reduzir o número de funcionários (contra 13% no ano passado).

Fonte: Maxpress