BTM e Master Turismo - M&A crise

Processos de M&A (Mergers and Acquisitions), ou Fusões e Aquisições, são uma tendência natural em qualquer mercado, principalmente em momentos de crise e oscilação econômica. Dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) apontam que, no comparativo entre os primeiros semestres de 2014 e 2015, o volume dessas transações cresceu 10%, o que corresponde a um acréscimo de 337,61% no valor transacionado. A Investor Consulting Partners, empresa de consultoria financeira, registrou um aumento de 258% na carteira de clientes para pacotes de M&A no ano passado, e a expectativa é manter esse o ritmo de crescimento em 2016.

Se 2015 foi um período de expectativas, de espiar a movimentação do governo e aguardar os rumos da economia, em 2016, o empresariado brasileiro já percebeu que a mudança virá do mercado e não somente das decisões políticas. “O mercado, especialmente o mineiro, começa a enxergar acordos, fusões e aquisições com uma visão mais estratégica para manter os negócios, ao invés do ultrapassado olhar pejorativo de que só optam por esses processos empresas em declínio ou falência. Ter um sócio capitalista em troca de uma participação societária passou a ser uma opção mais interessante e viável do que contrair uma dívida para manter os negócios”, avalia Rodrigo Garcia, diretor técnico da Investor.

A união faz a força

Neste mês, as agências Master Turismo e BTM Corporate anunciaram a formalização de um Acordo de Cooperação Operacional, que as alçou à liderança isolada no segmento do turismo corporativo mineiro. O objetivo é encontrar as melhores práticas e condições comerciais entre as duas empresas e torná-las mais funcionais, com maior poder de negociação e, principalmente, com a máxima eficiência no atendimento aos clientes. Juntas, as organizações vão gerar um faturamento de aproximadamente R$ 435 milhões ainda em 2016. A projeção é chegar a R$ 1 bilhão até 2020.

A Investor foi responsável pela assessoria na condução pelo processo de consultoria e formalização do Acordo desde o início das negociações, em junho do ano passado. Foi feito o valuation de cada empresa para determinar o porte e está em andamento o  acompanhamento e mensuração dos ganhos que cada empresa irá obter com a parceria. Garcia aponta que os benefícios são inúmeros. “A sinergia de custos comercial promove um ganho absurdo exponencial para as duas empresas e as posiciona de forma mais sólida e robusta no mercado, reforçando seu poder de barganha junto aos grandes players do setor. A capilaridade aumenta e a capacidade de negociação também fica muito maior”, explica.

Aumento do market share e do volume de receitas, expansão da atuação comercial em outras regiões, ampliação das linhas de produtos/serviços oferecidos aos clientes, aumento do poder de mercado e de negociação, aperfeiçoamento do uso de recursos e melhoria das competências gerenciais e tecnológicas são alguns dos ganhos gerados a partir do Acordo de Cooperação Operacional. “Compreendemos que saem na frente as empresas que veem oportunidades na crise e buscam estratégias que sustentem as organizações e as façam crescer. A sinergia dos valores e a forma de atuar da Master Turismo e da BTM tornaram a parceria um caminho natural”, afirma Fernando Dias, presidente do Grupo Master.