A humilhante derrota do Brasil frente à Alemanha anteontem deverá ter um efeito econômico direto para os jogadores da seleção: sua desvalorização no mercado internacional.

A avaliação de especialistas na Europa é que, mesmo considerando que é cedo para calcular o custo da derrota, “ser massacrado na TV, diante da metade do planeta, reduz o preço do passe de qualquer um”.

Mathias Seidel, diretor da empresa TransfersMarkt, sediada na Alemanha, que acompanha as negociações de transferência de jogadores, vê porém nuances na depreciação de cada um, tanto para transferência como para contratos de marketing.

“A desvalorização deve ser pequena como grupo, pode poupar uns e pegar outros mais”, disse, acrescentando que “não se pode levar em conta apenas o desempenho durante a Copa do Mundo”.

Seidel dá o exemplo do zagueiro Dante, substituto de Thiago Silva contra a Alemanha. Dante fez um péssimo jogo – foi o único de que participou no torneio. Só que ele continuará em alta no mercado em razão de sua performance na zaga do Bayern de Munique.

Em 2012, Dante foi comprado pelo Bayern por € 4,7 milhões e seu passe antes da Copa do Mundo era avaliado em € 17 milhões pela TransfersMarkt.

Já jogadores como Fred e Daniel Alves saem mais machucados. Analistas consideram impossível um clube no momento querer pagar € 7 milhões pelo atacante do Fluminense, que é o valor de mercado que Fred tinha até o começo da Copa do Mundo.

Daniel Alves, além de um desempenho abaixo do esperado, que o relegou ao banco de reserva, tem já 31 anos de idade, reduzindo seu potencial. Seu passe era avaliado em € 18 milhões, quase metade do que o Barcelona pagou ao Sevilla para contratá-lo há alguns anos.

O time inglês Chelsea visivelmente fez um bom negócio vendendo o passe do zagueiro David Luiz antes da Copa. Era avaliado pelo Centro Internacional de Estudos do Esporte (Cies), na Suíça, em algo entre € 27 milhões e € 32 milhões. O time inglês vendeu seu passe ao PSG de Paris por nada menos que € 49,5 milhões.

Ele vai jogar ao lado de seu companheiro de seleção Thiago Silva, que antes da Copa tinha o passe avaliado em € 38 milhões. Menos do que os € 42 milhões pagos pelo PSG ao Milan em junho de 2012.

Já o astro Neymar, que estava fora da jogo de terça-feira em virtude da lesão sofrida na partida contra a Colômbia, não deve ser afetado, ainda que a maneira como a seleção brasileira foi derrotada não ajude na imagem. Neymar foi bem-sucedido em seu desempenho na Copa, seu valor se mantém estável e ele tende a continuar com bons contratos publicitários, disse um agente europeu com 83 jogadores sob contrato.

Mas de modo geral, a desvalorização atingia vários jogadores brasileiros antes mesmo do Mundial – o que está relacionado também com a situação econômica dos clubes, altamente endividados.

Por exemplo, o atacante Hulk, que tampouco encantou até agora, foi comprado em setembro de 2012 pelo Zenit, da Rússia, por € 55 milhões (ele jogava no Porto, de Portugal). Seu passe era estimado antes da Copa em € 48 milhões pela TransfersMarkt.

Fernandinho foi vendido pelo Shakhtar ao Manchester City por € 40 milhões, mas seu passe há algumas semanas valia € 33 milhões.

Na prática, quem fez uma boa Copa no Brasil está proporcionando bons negócios para seus clubes. Um exemplo é a divulgação de que o chileno Alexis Sánchez será vendido pelo Barcelona para o Arsenal, da Inglaterra, por cerca de € 37 milhões. Seu valor era estimado até recentemente pelas agências especializadas em algo entre € 26 milhões e € 30 milhões.

Outro exemplo é de Toni Kroos, meio de campo da Alemanha e autor de dois gols contra o Brasil anteontem. Ele sequer aparecia na lista dos 60 mais valorizados. Agora, a imprensa espanhola acredita que ele será vendido pelo Bayern ao Real Madrid por € 25 milhões.

Por outro lado, Diego Costa, brasileiro que vestiu a camisa da seleção espanhola e teve um desempenho ruim na Copa, continua considerado com enorme potencial. Seu valor era estimado em € 35 milhões, mas o Atlético de Madrid fechou a venda para o Chelsea por € 38 milhões.

Outros grandes jogadores saem da Copa com o valor em baixa. É o caso de Eden Hazard, da Bélgica, que joga no Chelsea. Seu valor é estimado entre € 75 milhões e € 89 milhões. Dificilmente um clube pagará tanto por ele, no momento, acreditam analistas.

A esta altura, mesmo o atleta mais valorizado do mundo, o argentino Lionel Messi, estimado em € 200 milhões, dificilmente seria negociado por algo próximo dessa soma.

Fonte: Valor Econômico