Carl Icahn, um dos mais famosos investidores ativistas do mundo, esteve envolvido numa nova polêmica nesta semana. O bilionário está sendo investigado pelo FBI e o pelo órgão regulador de mercado dos Estados Unidos(SEC) por possível atividade de insider trading. Apesar de ainda tratar-se apenas de uma suspeita, o caso de Icahn se soma as inúmeras polêmicas sobre o uso de informação privilegiada no mercado financeiro ao longo da história. Veja a seguir alguns dos mais emblemáticos.

A maior fraude da história

Em 2008, o Warren Buffett comprou 5 bilhões de dólares em ações do Goldman Sachs. O mercado acompanhou o megainvestidor e as ações da companhia dispararam. Raj Rajaratnam, fundador da Galleon, sabendo antecipadamente que Buffett faria tal aquisição comprou papéis do banco logo antes da compra para vender logo em seguida. Raj Rajaratnam é considerado o responsável pela maior fraude por uso de informação privilegiada da história. Resultado? 11 anos de prisão.

Onze homens e um segredo

Na década de 80, W. Paul Thayer, ex-vice-secretário do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, também teve problemas com a justiça. A SEC e o Departamento de Justiça, em investigações separadas, descobriram que Tahyer havia divulgado informações privadas para seus amigos quando era CEO da LTV Corporation. Ele não ganhou dinheiro diretamente com o trading, mas sua reputação melhorava entre o grupo de amigos. Cerca de dez amigos recebiam as informações. Ele foi preso e multado.

O corretor camarada

A estrela da televisão norte-americana, Martha Stewart, vendeu ações da empresa ImClone Systems, após receber informações privilegiadas de seu corretor. A situação de Martha foi agravada pelo fato de ela ser chairman e CEO da Martha Stewart Living Omnimedia, uma companhia aberta. Sua pena foi de reclusão de cinco anos e mais cinco em prisão domiciliar.

Eugene e seu amigo

O esquema de insider trading de Eugene Plotkin, um associado da divisão de pesquisa de renda fixa do Goldman Sachs, e de Pajcin, ex-analista do banco começou em 2004. A estratégia era conseguir informações de operações de fusões e aquisições do Merrill Lynch com um analista de investimentos do banco. Eles também tinham acesso a revista Business Week antes que ela fosse às bancas. Com isso, eles conseguiram ganhar ao menos 6,7 milhões de dólares de maneira ilícita.

Coisa de cinema

Um esquema de insider trading foi descoberto pela SEC nos anos 80. Ivan F. Boesky tinha informações que não eram públicas e que lhe foram passadas por Dennis Levine. Levine teria recebido as informações de banqueiros de investimento do Lazard Freres & Co e do Lehman Brothers. As informações diziam respeito a ofertas, fusões e outros negócios. Cogita-se que o caso de Boensky inspirou o personagem de Gordon Gekko no filme de Oliver Stone, “Wall Street: o Dinheiro Nunca Dorme.”

O caso X

Com R$ 122 milhões bloqueados pela Justiça recentemente, o empresário Eike Batista nega o uso de informação privilegiada para obter ganhos no mercado financeiro. Desde 17 de abril, a Polícia Federal do Rio de Janeiro está investigando a possibilidade de Eike ter cometido os crimes de manipulação de mercado, lavagem de dinheiro e de uso de informações privilegiadas no Grupo EBX. O sequestro dos bens busca impedir que o empresário se desfaça de seu patrimônio antes que a Justiça determine o pagamento de credores e acionistas prejudicados.

Operação indigesta

Em 2010, a SEC investigou dois brasileiros após a aquisição do Burger King pelo 3G Capital. A informação da compra teria vazado e sido utilizada pelos dois investidores e também espalhada a algumas outras pessoas.

O casal Disney

Em 2010, um casal tentou vender informações privilegiadas sobre os resultados do segundo trimestre da Disney a gestores de hedge funds nos Estados Unidos e na Europa. Quem comprou foram os agentes do FBI disfarçados. O casal pediu dinheiro e participação nas operações realizadas em troca das informações.

No dia da publicação, os dados finais não foram enviados horas antes da divulgação oficial, como havia sido prometido, mas o criminoso deu a dica sobre o lucro por ação a um dos agentes do FBI e acertou no valor. Eles também tinham enviado um relatório com detalhes sobre as operações no período, e perspectivas futuras traçadas pela direção da Disney dois dias antes da publicação oficial. O casal foi preso.

Os pioneiros

Luiz Gonzaga Murat Filho e Romano Ancelmo Fontana Filho foram denunciados em 2009 pelo Ministério Público Federal após ficar constatado que lucraram com a negociação de ações da Perdigão na Bolsa de Nova York. Eles foram presos e multados. Trata-se de um dos primeiros casos de insider trading levado ao Judiciário brasileiro.

Caso encerrado

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu um processo sobre a negociação ilegal de ações do Submarino antes da fusão com a Americanas.com, em 2006. No final de 2012, o fundo 3G Capital e o Petrix Overseas assinaram um termo de compromisso com a CVM para encerrar o processo. A Petrix Overseas se comprometeu a pagar à CVM valor equivalente ao dobro da suposta vantagem obtida nas operações realizadas com ações de emissão da Submarino, com juros. A 3G Capital Partners comprometeu-se a pagar à CVM um valor equivalente a 15% da suposta vantagem obtida pela Petrix nas operações objeto desse processo, também com juros. O valor total chegou a 13 milhões de reais.

Na onda da tecnologia

No ano passado, o gestor Michael Steinberg, do hedge fund SAC Capital Advisors, foi acusado de operar com ações da Dell Inc e da Nvidia Corp usando informações não disponíveis ao público. Nove pessoas, incluindo Steinberg, foram indiciadas ou envolvidas nas acusações de irregularidades em operações na época em que trabalhavam na SAC.

Fonte: Exame