A americana Pilgrims’s Pride, controlada pela brasileira JBS, anunciou que retirou sua proposta ‘como boa compradora’ preocupada com os acionistas.

A gigante americana de alimentos Tyson Foods venceu a guerra de ofertas contra a brasileira JBS para comprar a rival Hillshire Brands. O negócio foi fechado por um valor que pode chegar a US$ 8,5 bilhões.

A Pilgrims’s Pride, empresa norte-americana controlada pela brasileira JBS, anunciou nesta segunda-feira, 9, que retirou sua proposta para adquirir a Hillshire Brands.

A decisão da Pilgrim’s Pride ocorre após a Tyson Foods elevar sua oferta pela Hillshire para US$ 63 por ação.

Excluindo a dívida, a proposta da Tyson é avaliada em US$ 7,7 bilhões e representa um prêmio de 70%. A oferta só poderá ser aceita se a Hillshire abrir mão de adquirir a Pinnacle Foods, em um negócio avaliado em US$ 4,3 bilhões, anunciado em maio.

“Como um comprador disciplinado, decidimos não aumentar nossa proposta de US$ 55 por ação. Vamos continuar focados em excelência operacional e em geração de valor para nossos acionistas, ao mesmo tempo em que buscamos novas oportunidades de aquisição para avançarmos em nossa estratégia, comentou o executivo-chefe (CEO) da Pilgrim’s Pride, Bill Lovette.

A empresa informou que tinha como financiadores um consórcio de bancos formado por Wells Fargo, Credit Suisse Securities, Barclay’s, Cooperative Centrale Raiffeisen-Boerenleenbank (Rabobank International) e Bank of Montreal Capital Markets. Os juros seriam de aproximadamente 4,1%, sem prazos de vencimentos nos primeiros sete anos.

A Pilgrim’s Pride fez a primeira oferta pela Hillshire Brands em 27 de maio, no valor de US$ 45 por ação, mas no dia 29 passou a enfrentar a concorrência da Tyson Foods, cuja proposta era de US$ 50 por ação.

A processadora de carnes norte-americana Tyson Foods aumentou a oferta para a compra da Hillshire Brands para US$ 8,55 bilhões (US$ 63 por ação), nesta segunda-feira. A proposta, que inclui a dívida líquida da Hillshire, é superior à última oferta da Pilgrim’s Pride, subsidiária da brasileira JBS, de US$ 55 por ação.

A expectativa da Tyson é de ganhos anuais em sinergia de US$ 300 milhões. “A aquisição da Hillshire representaria um momento definitivo para a Tyson”, afirmou Donnie Smith, presidente da processadora de carnes. “Nossa estratégia tem sido a de crescer em nossos negócios de alimentos preparados. Esta tem sido nossa meta, a de ser líder no varejo deste segmento, assim como já somos no setor de carne de frango”, complementou.

Para o presidente do Conselho da Tyson, John Tyson, a empresa tem uma história de crescimento graças a aquisições estratégicas. “A perspectiva do conselho de diretores é que (este negócio) é uma oportunidade de transformação e a que melhor se encaixa em nosso plano estratégico, reforçando simultaneamente as nossas margens e criando valor para os acionistas”. A Tyson está preparada para emitir ações para manter o grau de investimento da companhia.

A combinação entre Tyson e Hillshire Brands iria reposicionar a Tyson como líder na venda de alimentos preparados no varejo, com um portfólio complementar de marcas bastante reconhecidas, incluindo a Jimmy Dean, Ball Park, State Fair e Hillshire Farm. O negócio seria financiado à vista, e é assegurado pelo Morgan Stanely e pelo JP Morgan. A Tyson acredita que o fluxo de caixa combinado das duas empresas irá permitir o rápido pagamento da dívida.

Fonte: Estadão

Veja também a apresentação feita pelo Tyson Foods referente a oferta de aquisição http://ir.tyson.com/files/doc_presentations/2014/TSN_HSH%2006-09-14%20REVISED.pdf