computador-e-planilhas-para-representar-gestor-realizando-agio-desagio-goowdwill

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese.

12 Comentários

  • Renata Reply

    Tuesday April 30th, 2019 at 06:49 PM.

    Olá. Me esclarece uma dúvida, por favor? Como identificar Goodwill nos ativos?

    • Investor Reply

      Thursday July 18th, 2019 at 11:07 PM.

      Oi Renata, tudo bem? Tecnicamente, o Goodwill só existe quando há uma combinação de negócios, conforme especificado pelo CPC 15 (R1). Para a apuração, deve-se debitar do valor pago pelo adquirente do controle societário, o Valor Justo ajustado a mercado dos ativos líquidos da adquirida.
      Ao se avaliar cada ativo e passivo ao seu Valor Justo ajustado a mercado, a diferença do valor encontrado e o valor lançado contabilmente, é chamado de mais ou menos valia. Qualquer outra dúvida, fico à disposição! Abraço

  • Enila Reply

    Wednesday August 7th, 2019 at 07:19 PM.

    Olá…Quando uma empresa compa um percentual da outra, mas paga mais que o seu valor de Patrimonio Liquido não pode ser considerado Goodwill?
    Por exemplo, uma empresa comprar o percentual de outra e tamb´me constituir uma conta garantia de possiveis perdas futuras (Escrow), nesse caso o valor pago a maior deduzido do valor da escrow não pode ser considerado como goodwill e ser baixado à medida que os valores depositados em escrow não se realizem ou realizem parcialmente?

    • Investor Reply

      Wednesday September 11th, 2019 at 11:23 PM.

      Oi Enila, tudo bem? Conforme o CPC 15 (R1), só haverá a mensuração do ágio por expectativa de rentabilidade futura (Goodwill adquirido) em operações de combinação de negócios. Tais operações são caracterizadas pela identificação de um adquirente, que por sua vez é a entidade que obtém o controle da adquirida. Ou seja, os investimentos em sociedades cujo o investidor não detenha controle, deverão ser avaliados pelo método do custo de aquisição e os investimentos em sociedades cujo o investidor passa a deter controle, sendo estas já investidas ou partes não dependentes, deverão ser avaliadas por equivalência patrimonial, contabilizando o referido investimento em Valor Patrimonial Líquido, Mais-Valia (diferença entre o Valor Justo e o Valor do Patrimônio Líquido) e Goodwill (diferença entre a contraprestação paga pela aquisição do controle e o Valor Justo).

      As operações de aquisição de controle que envolvem estruturas que postergam a disponibilização, ao vendedor, de parte do valor de aquisição (ex. Escrow Account), devem realizar o cálculo do Goodwill por etapas, pois só é considerado custo de aquisição da participação societária, o valor total efetivamente pago pelo Comprador ao Vendedor. Sendo assim, em um primeiro momento seria calculado o Goodwill com base na diferença do valor disponibilizado aos vendedores e o valor justo da adquirida e posteriormente, reconhecido como Goodwill os valores não utilizados da Escrow Account e repassados aos vendedores. Cabe ressaltar, que os eventuais juros auferidos por aplicação financeira do montante em Escrow Account, não se caracterizam como Goodwill e devem ser tratados como receita financeira do titular da conta ou do beneficiário desses rendimentos.

      Espero tê-la ajudado. Até a próxima!

  • Mayckon Reply

    Monday September 9th, 2019 at 09:43 PM.

    Boa noite

    Nesse trecho você diz que “Se a empresa controladora da incorporação for somente uma empresa “veículo”, sem operações, o saldo do ágio deve ser baixado por provisão, em contrapartida ao patrimônio líquido, na data da incorporação.” Qual o embasamento legal dessa baixa por provisão?

    • Investor Reply

      Thursday October 31st, 2019 at 02:56 PM.

      Ei Mayckon, tudo bem? Quando você questionou sobre esse ponto, notamos que havia um conceito explicado de forma equivocada. Revisamos o artigo e corrigimos. Sugerimos que leia novamente para entender melhor! Qualquer dúvida nos acione novamente. Abs

  • Fábio Sanches Molina Reply

    Monday December 9th, 2019 at 05:50 PM.

    Parabenizo a Investor e convidado pelo excelente webnar.

    No vídeo discorreu-se sobre amortização do ágio por expectativa de rentabilidade futura (goodwill) como segue:
    1) Contabilmente: vida útil indefinida
    2) Fiscalmente: vida útil de 5 anos, com amortizações de 1/60 por mês.
    Minha dívida é sobre a amortização do deságio (compra vantajosa), tanto na ótica contábil quanto na fiscal.
    Obrigado pela atenção e saudações!
    Fábio Molina

    • Investor Reply

      Thursday January 9th, 2020 at 12:02 AM.

      Oi Fábio, tudo bem? Demoramos um pouco a responder devido ao recesso de fim de ano, mas vamos lá!

      Obrigado pelo contato, bom saber que você gostou do nosso webinar. O tema é considerado um dos mais complexos em operações de M&A e exige um cuidado na contabilização e apuração dos tributos.

      Do ponto de vista fiscal, quando a compra vantajosa for identificada pelo excesso do valor líquido dos ativos identificáveis adquiridos e dos passivos assumidos, mensurados pelos respectivos valores justos, na proporção da participação adquirida, em relação a contraprestação transferida, o ganho proveniente de compra vantajosa será computado na determinação do lucro real no período de apuração à data do evento de incorporação, cisão ou fusão e posteriores, na razão de (1/60) (um sessenta avos), no mínimo, para cada mês do período de apuração subsequentes à data do evento (Art.27 da Lei 12.973/14). O mesmo ocorre para o ganho proveniente de compra vantajosa, que corresponde ao excesso do valor justo dos ativos líquidos da investida, na proporção da participação adquirida, em relação ao custo de aquisição do investimento (§ 6º do Art. 20 do Decreto-Lei 1.598/77).

      Do ponto de vista contábil, em conformidade com o CPC 18 (R2), 32, B, a menos-valia (“deságio”), será contabilizada como receita, na data de aquisição.

      Qualquer outra dúvida, estamos à disposição.

  • albaluciafigueiredo@yahoo.com.br Reply

    Wednesday December 18th, 2019 at 09:43 PM.

    BOA NOITE,
    Gostaria de tirar uma dúvida sobre o PURCHASE PRICE ALLOCATION: Tenho um cliente que comprou uma empresa, vou dar um exemplo: o valor da negociação foi de R$. 3.000.000,00, portanto, a empresa adquirida tem um patrimônio líquido negativo de R$. 5.000.000,00, como apurar o goodwill? Outra coisa, na empresa adquirida há um passivo de provisão de férias acumuladas, sendo que todo o quadro de pessoal foi transferido para a empresa adquirente, pergunto: como deverá ser a contabilização desse passivo na empresa adquirente? Será lançado na conta de Investimentos no ativo permanente e credita no Passivo em provisão de férias? Ficarei muito grata pelo seu retorno. Obg. Alba Figueiredo

    • Investor Reply

      Thursday January 9th, 2020 at 12:04 AM.

      Olá Alba! Vou considerar que no caso em questão, o Patrimônio Líquido a Valor de Mercado da investida seja negativo de R$ 2.000.000,00, ou seja, após a avaliação a valor justo dos ativos líquidos identificados adquiridos e dos passivos assumidos, encontramos uma mais-valia de R$ 3.000.000,00 (= Patrimônio Líquido a Valor de Mercado – Patrimônio Líquido Contábil). Consequentemente, o Goodwill desta operação será de R$ 5.000.000,00 (= Valor da Contraprestação – Patrimônio Líquido a Valor de Mercado).

      Com relação ao passivo informado, o mesmo será reconhecido na adquirente através da Equivalência Patrimonial (CPC 18 – R2). Vale ressaltar que deve observar se a transferência do quadro de pessoal faz parte da negociação de aquisição de controle, sendo o valor do passivo assumido incorporado ao valor da contraprestação, ou se ele é um evento pós aquisição de controle.

      Obrigado pelo contato.
      Um abraço,

  • Gabriel Reply

    Friday February 7th, 2020 at 12:04 PM.

    Bom dia!
    Quero inicialmente parabenizar pelo conteúdo! Muito esclarecedor e bem feito!
    Minha pergunta: Quando ocorre a variação do percentual de que uma empresa possui da outra, assim mudando também a participação dos não controladores, não deverá existir ágio, correto?
    Observei que em alguns CPCs e ICPCs essa variação deverá acontecer no PL da empresa como conta de ágio em transações de capital, porém um ágio “diferente”, somente registrando essa mudança e não refazendo ou reavaliando uma mais-valia. É isso mesmo? Peço comentário sobre o assunto.

    • Investor Reply

      Monday March 2nd, 2020 at 10:49 PM.

      Olá Gabriel. Que bom que gostou do nosso artigo!

      O Goodwill é reconhecido em uma única vez e, conforme o CPC 15 (R1), este se dá no momento da aquisição de controle da sociedade. As alterações societárias posteriores deverão ser reconhecidas pelo método do custo de aquisição pelos acionistas não controladores e por equivalência patrimonial pela sociedade controladora. Cabe ressaltar que isso ocorre, pois pós-aquisição de controle, as sociedades formam um Grupo Econômico e todas as movimentações societárias serão consideradas como transações de capital nas demonstrações consolidadas.

      Abraço!

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *