Responsável pelo controle patrimonial conferindo etiquetas RFID

Você é familiarizado com aqueles inventários rotativos trabalhosos e desgastantes que são realizados para manter uma administração de bens confiável? Sabia que eles podem ser feitos de forma mais rápida e automatizada? Se você pensou na utilização da leitura dos objetos por meio do código de barras, você irá se surpreender.

Neste artigo falaremos da tecnologia RFID (Radio Frequency Identification) que utiliza a frequência de rádio para capturar informações por meio de etiquetas RFID.  Se você está procurando uma técnica para otimizar e tornar o seu controle patrimonial mais eficaz, confira esse post!

Ilustração demonstrando tecnologia RFIDComo funciona a tecnologia RFID?

A operação de uma etiqueta RFID pode ser resumida de forma simples como um transponder, representado por um chip, que ao ser estimulado retorna um sinal ou transmite seu próprio sinal enviando dados do item em que o chip está aplicado por meio de rádio frequência.

Um sistema de RFID para controle de patrimônio possui 4 componentes:

Tag ou etiqueta RFID

Esse componente é a identificação do objeto, e nele estarão contidas as informações relevantes do equipamento em questão. Essa é a parte manual do processo, uma vez que todos os itens do ativo imobilizado deverão ser identificados com a etiqueta RFID.

A leitura dessas informações é realizada por uma antena. O recebimento dessas informações poderá ser realizado de duas formas de acordo com o tipo de etiqueta utilizada:

  • Etiqueta passiva

Esta etiqueta precisa receber um sinal da antena para emitir suas informações e ser alimentada internamente. Por não possuírem uma bateria, não conseguem iniciar uma comunicação por conta própria. Geralmente têm suas informações gravadas permanentemente, porém algumas possibilitam regravações.

Como elas não têm uma bateria, possuem vida útil mais longa e são mais baratas.

  • Etiquetas semi-passivas

Esses tipos de tags funcionam da mesma maneira que as passivas, porém possuem uma bateria, que é utilizada para alimentar circuitos e sensores.

  • Etiquetas ativas

Já nesse tipo, a bateria permite a emissão de sinais de radio frequência, além de alimentar o sistema. Possibilitam um raio de alcance muito maior quando comparado às anteriores e conseguem melhor performance em ambientes adversos.

São mais caras e sua vida útil é limitada pela vida da bateria, têm maior complexidade computacional possibilitando maior armazenamento de dados e por isso são maiores fisicamente.

Muitas firmas optam por aplicar etiquetas RFID para o controle do imobilizado encapsuladas com a gravação do código de barras. Assim, acabam aproveitando as duas tecnologias e criam um backup operacional que pode ser utilizado em casos de falha.

Antenas RFID

Se as tags ou etiquetas possuem as informações necessárias para identificação de um produto, alguém precisa reconhecer esses dados, e esse alguém é a antena RFID. Essa antena pode ser fixa ou estar acoplada em um coletor de dados móvel.

A antena RFID realiza a identificação de múltiplas etiquetas simultaneamente, diferentemente de um leitor de código de barras. A antena possui um sistema de releitura múltipla, o que dá mais confiabilidade ao processo.

Sistema de controle patrimonial 

Para que o processo realmente valha a pena é necessária a utilização de uma plataforma que possibilite a interação com o coletor de dados, tanto para atualização como para a exportação de dados. Além das funcionalidades básicas de cadastrar, classificar, atualizar e registrar as movimentações de saída, entrada e retorno de itens.

Software de inventário patrimonial para o leitor móvel

É fundamental para o bom funcionamento do processo instalar um software no coletor de dados que possibilite realizar auditorias no imobilizado e emitir relatórios como: lista de bens não encontrados, bens incluídos, bens atualizados, entre outros.

É interessante que o software possa limitar a distância de alcance de leitura para evitar a captura de informações de departamentos vizinhos. Dessa forma, é possível evitar interferências, o que garante mais agilidade e êxito.

Uso da tecnologia RFID para controle patrimonialExemplo da etiqueta RFID da Investor para controle patrimonial

Esse tipo de tecnologia é muito vantajoso para o controle patrimonial, porém, alguns cuidados devem ser tomados para que problemas sejam evitados:

  • Posicionamento da Antena – Tanto a distância como a angulação da antena podem gerar pontos cegos, afetando a leitura ou a identificação correta dos dados.
  • Tipo do material – Alguns materiais de informática são afetados pelas ondas eletromagnéticas e, por isso, devem ser encapsulados para não sofrerem danos. Materiais que possuem superfície metálica podem afetar o alcance da leitura e nesse caso também devem ser encapsulados.
  • Local de Armazenamento – Outro problema para as etiquetas é aplica-las em máquinas que trabalham em ambientes hostis com altas temperaturas e umidade elevada, nesta situação é necessária uma proteção adequada que evite a degradação do chip.
  • Local de aplicação da etiqueta – Muitos itens têm seu formato irregular, o que dificulta a aplicação da etiqueta. Em alguns casos a tag deve ser elaborada de acordo a superfície de aplicação. Geralmente, as extremidades são os locais indicados para a aplicação das tags. Porém, é sempre benéfico realizar testes para padronizar o local de aplicação nos itens.

Vantagens

Os principais benefícios de utilizar a tecnologia de etiquetas RFID para o controle de ativos imobilizados são:

  • As etiquetas permitem a gravação de informações na memória do chip, gerando flexibilização da administração do estoque;
  • Detecção de informações sem o contato visual do item. As etiquetas podem ser identificadas a distâncias consideráveis;
  • Possibilidade de reutilização da etiqueta, gerando apenas custo na implantação do projeto;
  • Redução de erros na contagem, atualização e reabastecimento do estoque;
  • Aumento da agilidade para gerar os relatórios de inventários;
  • Facilidade na localização e classificação dos itens;
  • Melhor controle de necessidade de reabastecimento e identificação de itens com a validade vencida;
  • Maior segurança patrimonial evitando furtos e a falsificação de mercadorias;
  • Crescimento da assertividade dos processos permitindo relatórios mais ágeis e completos;

Diante de tantas vantagens e utilidades, podemos afirmar que o uso de etiquetas RFID é importantíssimo para o controle patrimonial de qualquer empresa, independentemente do seu tamanho. Além do mais, possui distintos modelos para inúmeros tipos de produtos.

Atualmente, a agilidade é um diferencial do mercado. O uso dessa tecnologia pode fazer a sua empresa dar um salto à frente de seus concorrentes, pois contribuirá para ampliar a eficiência operacional, e como resultado, aumentará a margem de lucro do negócio.

Solicite um orçamento para fazer o emplaquetamento dos ativos de sua empresa!

 

 

Conteúdos Relacionados:

Etiquetas Patrimoniais: tipos e vantagens para o controle e inventário

O que é Controle Patrimonial: conceito, como e porque fazer? 

Controle Patrimonial: 12 sinais que indicam sua necessidade

Ativo Imobilizado: o que é, contabilização e exemplos

Controle do Ativo Imobilizado: como é feito e sua importância 

Principais erros no inventário de bens patrimoniais

Inventário Patrimonial: o que é, como fazer e os benefícios desse relatório

 

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *