Como vimos no post anterior, Teste de Impairment: conceito, regras e metodologias, o Teste de Impairment verifica a recuperabilidade dos ativos, caso os mesmos sejam levados à mercado a valor justo. Uma vez procedida a avaliação a valor justo dos ativos aplica-se o teste comparando-o ao saldo contábil dos mesmos, caso o valor justo seja inferior ao valor contábil, podemos dizer que houve Impairment. Sempre que houver Impairment, a empresa deve reconhecer  a perda por desvalorização de ativos e registrar a baixa contábil da diferença nas Demonstrações Financeiras,  debitando-se a conta de “despesa de perda por desvalorização de ativos” e creditando-se uma conta redutora do ativo.

O que muitos ainda têm dúvidas é sobre os impactos de uma possível baixa contábil para a empresa. Alguns analistas argumentam que a baixa contábil é apenas uma transação contábil, sem consequências para o caixa. No entanto, outros impactos podem ocorrer, como afetar o valor da empresa e até mesmo a diminuir a confiança dos investidores.

Mas como isso acontece?

Quando as despesas são apuradas pelo regime de competência, mensuradas a partir do resultado contábil, como é caso do imposto de renda e bonificações / participações no lucro, o fluxo de caixa é afetado, pela redução do pagamento de despesas que são apuradas no lucro contábil. Neste caso, a perda no valor do ativo fará com que os investidores paguem menos pela ação daquela empresa.

Mas, porque as empresas temem tanto a baixa contábil quando o Teste de Impairment é realizado?

baixa_contabilO custo de oportunidade do capital justifica a razão das empresas evitarem a baixa contábil. Um provável impacto da baixa contábil é o aumento do custo de capital, diante do aumento da variabilidade do resultado e dos investidores que usam o lucro contábil para analisar seus investimentos, acarretando o aumento na taxa de desconto, consequentemente, reduzindo o valor da empresa.

Obviamente, cada caso deve ser estudado individualmente, já que em algumas situações a baixa contábil gera pouco ou nenhum impacto. Por exemplo, nos casos em que o ativo que apresentou perda já não é considerado gerador de caixa, e a avaliação da empresa é feita pelo método Fluxo de Caixa Descontado, não há alteração no valor companhia. Não justifica analisar o quanto foi investido naquele ativo no passado e o quanto ele está valendo no presente, o importante é avaliar se ele gera caixa para a empresa. Um bom exemplo contrário são os casos de ativos geradores de caixa que por ventura são atingidos por uma catástrofe natural e passam a ser inutilizados. Além da baixa contábil pelo valor do bem, ele passa a prejudicar a geração de caixa futura, consequentemente afetando o valor da empresa.

Outro possível impacto, difícil de mensurar, é a interpretação que os investidores podem fazer diante de aquisições que apresentam uma perda ou não trazem os resultados esperados para a empresa, podendo acarretar numa falta de confiança perante à administração da empresa, e uma consequente desvalorização da companhia.

Como já vimos, além da obrigatoriedade, é de suma importância para a administração da empresa verificar anualmente o valor recuperável de seus ativos e, em caso de baixa contábil, analisar caso a caso os impactos para a organização. Ficou com dúvidas? Estamos à disposição para auxilia-lo. Entre em contato!

Solicite um orçamento!

Conteúdos relacionados:

– e-Book: Avaliações Imobiliárias: definição, regras e finalidades.

– e-Book – Gestão do Ativo Imobilizado:  Conheça as etapas da Gestão do Ativo Imobilizado e 12 razões para a sua empresa fazer o Controle Patrimonial.

– Conheça as etapas da gestão do ativo imobilizado e a importância da gestão patrimonial.

– Avaliação Patrimonial para fins de seguro.

– Teste de Impairment: conceito, regras e metodologias.