O que é startup?

  • 11 de outubro, 2018
startup

O termo startup é relativamente novo e cada vez mais utilizado. Apesar de muito difundido, poucos realmente sabem dizer o que configura uma startup. Alguns acreditam que é uma empresa pequena ou uma empresa em seu período inicial, outros dizem que é uma empresa com custos de manutenção muito baixos, mas com enorme potencial de crescimento ou até que são apenas empresas de internet ou de tecnologia.

Afinal, o que é startup?

startupO termo startup surgiu há algum tempo nos Estados Unidos, mas se popularizou no Brasil a partir da bolha das empresas ponto-com, entre os anos de 1996 e 2001. Tal bolha especulativa fez com que as ações das novas empresas de tecnologia da informação e comunicação alocadas no espaço da internet ficassem em alta e, assim, fez difundir o termo que inicialmente se referia ao grupo de pessoas trabalhando em ideias de negócios diferentes e com alto potencial de crescimento.

Considerando-se a etimologia da palavra, startup é sinônimo de iniciar algo e colocar em funcionamento. Porém a definição mais atual é: grupo de pessoas a procura de um modelo de negócio inovador, repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza e com soluções a serem desenvolvidas. Tal conceito envolve alguns termos que precisam ser melhor explicados:

Modelo de negócio

Modelo de negócio refere-se a como o negócio funciona para gerar valor ao cliente (solucionar seus problemas) e para a empresa (rentabilidade do negócio). Logo, o foco não é apenas no produto, mas no seu valor. O maior desafio para startups é desenvolver um modelo de negócio inovador.

Inovação

Inovação refere-se ao desenvolvimento de um produto, serviço ou modelo de negócio completamente novo ou ainda pouco explorado que apresenta diferenciais valorizados pelo mercado e percebidos como algo novo e superior em relação aos concorrentes e às soluções previamente apresentadas para os problemas dos consumidores. Por ter esse caráter inovador, muitas vezes utiliza-se recursos digitais, mas não se limita a isso. É por causa desse aspecto que as pessoas acreditam que startups são apenas empresas de base tecnológica relacionadas à Internet. Realmente é mais comum encontrá-las na internet, visto que é um meio mais rápido, barato e fácil de se propagar, mas não se limitam a isso.

Repetível

Ser repetível significa que o modelo de negócio é capaz de entregar o mesmo produto ou serviço em escala potencialmente ilimitada sem muitas customizações e adaptações, ou seja, é possível replicar e reproduzir a experiência do produto ou serviço de forma simples.

Escalável

Ser escalável significa crescer cada vez mais sem que isso influencie no modelo de negócios, podendo atingir rapidamente um grande número de consumidores a custos baixos, tornando a margem mais alta.

Um modelo de negócio repetível e escalável é uma das chaves de sucesso de startups, uma vez que este tende a atingir um grande número de clientes e gerar lucro de forma mais rápida, sem um aumento significativo dos custos e sem a necessidade de customizações para cada cliente específico.

Cenário de incertezas

Cenário de incertezas significa que não há garantias de que a ideia do modelo de negócio irá dar certo e será bem-sucedida. Por ser uma ideia inovadora e disruptiva, não há em que se basear para atingir o sucesso e não é possível verificar se a ideia é bem aceita previamente pelo mercado. Tal ambiente é considerado incerto até que o modelo de negócio comece a mostrar que vai vingar e sua receita comece a crescer. Caso o modelo inicial não se mostre assim, é necessário repensar e até mesmo reinventar todo o modelo, o que pode significar a necessidade de um novo montante de investimento. É muito comum as startups pivotarem seus conceitos, produtos, serviços e públicos-alvo, por exemplo, até encontrarem o modelo ideal.

É por isso que ao pensar em startup é necessário pensar em capital de risco, visto que encontrar o modelo certo de imediato é uma tarefa difícil. Tal capital é de extrema importância na iniciação e no desenvolvimento, até que elas possuam receita suficiente para se consolidar.

Uma forma de lidar com a incerteza é iniciar a startup com um produto mínimo viável, MVP, que tem como objetivo validar o modelo ajudando a compreender melhor o que o público-alvo deseja e gastando o mínimo possível. Após a validação e comprovação do modelo, receitas começam a crescer e a startup começa a avançar rumo a se tornar uma empresa sustentável.

startupTipos de Startup

As startups podem ser divididas de várias formas. Seguem abaixo 6 classificações utilizadas pelo mercado:

  • Small-Business Startups: empreendedores iniciantes, com pouca experiência e visão administrativa limitada, que comandam e controlam a própria empresa e não tem muito interesse em expandir o negócio, apenas movimentam a economia local;
  • Scalable startups: empreendedores que encontram um modelo de negócio com grande potencial de crescimento e que necessita de investimento para crescer, ou seja, já funcionam, mas precisam de capital de risco para expandir. Tais empreendedores visam, inclusive, desenvolver o seu negócio para abrir capital na bolsa ou ser comprado por investidores no futuro;
  • Lifestyle startups: empreendedores que são movidos por um sonho e trabalham com uma ideia que amam. Tais empreendedores geram renda, mas sem deixar de fazer o que gostam já que não visam apenas dinheiro;
  • Buyable startups: empreendedores com uma grande ideia e que precisam, então, de capital de risco para concretizá-la e instrumentalizar um modelo de negócio;
  • Social startup: pessoas que têm a ideia de fazer a diferença no mundo, ajudar outras pessoas e gerar resultados positivos para a sociedade, com ou sem fins lucrativos, ou mesmo uma mistura de ambos;
  • Large-company startups: grandes empresas que já estão no mercado e precisam inovar seu modelo de negócio e se reinventar constantemente para sobreviverem, se adaptarem e crescerem nos novos contextos do mercado que está sempre se alterando.

Além disso, em relação ao tipo de modelo de negócio, destacam-se:

  • B2B ou Business to Business: startups que atendem necessidades de outras empresas, não de um consumidor final diretamente;
  • B2C ou Business to Consumer: startups que atendem as necessidades de um consumidor final;
  • B2B2C OU Business to Business to Consumer: startups que fazem negócios com outras empresas visando atender à necessidade de um consumidor final.

Em relação aos nichos onde atuam, existem, por exemplo, as FinTech (startups do ramo financeiro), HealthTech (ramo da saúde e medicina), EdTech (ramo da educação), LawTech (ramo do direito), dentre outras.

Ao analisar o mercado, é possível verificar que grande parte das grandes empresas surgiu como startups com pouco dinheiro, muito risco e diante de contextos incertos. A tendência é o surgimento constante de novos modelos de negócios cada vez mais inovadores e disruptivos, exigindo que empreendedores se tornem cada vez mais conectados, competitivos e atualizados para acompanharem a complexidade da atualidade.

Você tem uma Startup ou pretende investir em alguma? Entre em contato conosco!

Conteúdos relacionados:

Valuation para startups: o que influencia, quais métodos usar e como deve ser feito

Quanto vale a sua empresa?

Métodos de Valuation: 3 maneiras de calcular o valor da sua empresa