Conheça o mercado de câmbio

  • 27 de março, 2019
Imagem de uma pessoa com dólares na mão realizando uma transação no mercado de câmbio

O mercado de câmbio é extremamente importante para o mundo contemporâneo pelos seguintes aspectos: por meio dele as pessoas conseguem realizar viagens ao exterior, os capitais estrangeiros são movimentados possibilitando o comércio internacional e ainda é utilizado como meio de investimento e proteção financeira.

Tal mercado pode afetar diretamente o sistema econômico do país e, consequentemente, as empresas na comercialização de seus produtos e serviços. Com as variações cambiais, as atividades de importação e exportação acabam sendo impactadas, trazendo um aumento ou redução na venda de produtos nacionais, por exemplo.

Apesar dessas significativas funcionalidades, grande parte das pessoas ainda não entende como o mercado cambial funciona, não conhece o significado de seus principais termos, não sabe quais operações estão disponíveis e quem são os players desse mercado.

Sabendo disso criamos este artigo que vai fazer você entender melhor essa divisão do mercado financeiro. Confira!

O que é câmbio e taxa de câmbio?Imagem ilustrativa de duas pessoas efetuando a troca de duas moedas diferentes no mercado de câmbio

O mercado de câmbio nada mais é do que o local onde acontecem as transações que envolvem dinheiro de países diferentes. A título de exemplo: se um brasileiro resolve passar suas férias nos Estados Unidos será necessário adquirir dólares para pagar suas despesas.

O Banco Central não imprime dólares, portanto, o local em que conseguirá obter a moeda americana será o mercado cambial.

Entretanto você pode se perguntar, e se o viajante optar por utilizar um cartão de débito ou crédito? Não importa! De qualquer forma o valor deduzido na conta bancária será em reais, embora a compra tenha sido feita por meio de divisas americanas. Logo, de qualquer forma, essa transação passará pelo mercado de câmbio.

As moedas internacionais não possuem o mesmo poder de compra, por isso necessitam de uma taxa que as tornem comparáveis. A ferramenta que viabiliza essas trocas monetárias no mercado cambial é a taxa de câmbio.  De maneira geral, a taxa de câmbio é o valor, em moeda doméstica, de uma unidade de moeda estrangeira.

Essa taxa, na maioria dos países, é estabelecida pelo mercado sem a intervenção governamental. Esse tipo de taxação é conhecido como câmbio flutuante. No Brasil, o Banco Central acompanha e, apenas com a finalidade de servir como referência, informa a taxa média de câmbio trabalhada pelo mercado no momento.

Como o mercado funciona e quais são suas operações?

O mercado cambial não tem um centralizador de negociações como a bolsa de valores, que organiza as transações com os títulos e valores mobiliários. O câmbio entre moedas estrangeiras é realizado de forma eletrônica por meio do mercado de balcão (diretamente entre as partes ou com intermediação de instituições financeiras).

Esse mercado fica disponível 24 horas por dia, durante cinco dias e meio da semana. Quando o mercado fecha seus trabalhos nos Estados Unidos, o mercado do Japão e de Hong Kong está abrindo suas portas. Por isso existe uma grande atividade de negócios e uma oscilação frequente de cotações de divisas no mundo.

As operações de câmbio incluem: pagamentos e recebimentos em moeda estrangeira, transferências para o exterior, recebimentos do exterior e aplicações no mercado financeiro.

A compra e venda de moeda externa podem ser realizadas tanto por pessoas físicas como jurídicas, sem limitação de quantia.  As únicas exigências são a identificação do comprador e um respaldo documental. Operações que não estejam especificadas e regulamentadas pelo Banco Central do Brasil necessitarão de autorização dessa autarquia.

É importante salientar que é proibida a guarda de dinheiro estrangeiro como poupança. O valor que restar de uma viagem ou de uma transação comercial deve ser negociado com uma instituição autorizada. Para aproveitar retornos sobre a oscilação da taxa de câmbio a opção é investir em fundos cambiais e não comprar diretamente a moeda.

Quer entender a diferença percentual entre a cotação da moeda estrangeira comercial e a cotação utilizada pelo banco na hora de realizar uma operação cambial? Baixe aqui a Calculadora de Spread Bancário no Pagamento de Invoices.

Como é estruturado o mercado de câmbio?

O mercado de câmbio é estruturado em duas vertentes: o mercado primário e o mercado secundário.

Mercado primário

Operação onde ocorre a entrada e a saída de moeda do território nacional. Situação das transações realizadas por viajantes, exportadores e importadores.

Mercado secundário

Nesse caso não há movimentação de moeda para dentro ou para fora do país. Também conhecido como mercado interbancário, a operação aqui é realizada de um banco para outro. A moeda é negociada entre as instituições financeiras pertencentes ao sistema financeiro nacional, autorizadas a operar com câmbio pelo Banco Central do Brasil.

Quem são os participantes do mercado?

As operações devem ser efetivadas por instituições autorizadas a operar no mercado de câmbio pelo Banco Central do Brasil, que por sua vez tem papel de executar a política cambial definida pelo governo por meio do Conselho Monetário Nacional, regulamentando o mercado e autorizando as instituições que nele atuam.

O Banco Central do Brasil também tem o poder de fiscalizar e punir entidades e dirigentes recorrendo a suspensões, multas e outras sanções. Aliás, o Banco Central do Brasil pode até operar no mercado comprando e vendendo divisas de forma limitada a fim de conter movimentações abruptas da taxa de câmbio.

Podem ser autorizados a atuar no mercado de câmbio pelo Banco Central do Brasil: bancos múltiplos, comerciais, de desenvolvimento, de investimento e de câmbio; caixas econômicas; corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários; agências de fomento e sociedades de crédito, financiamento e investimento.

Como participar e investir no mercado de câmbio?Investidor analisando possíveis resultados do investimento no mercado de câmbio

Existem diferenciadas formas de aplicações envolvendo moedas estrangeiras. No Brasil as principais são:

Fundos cambiais

Sugerido, particularmente, para quem deseja proteger um capital investido. Idealize que uma fábrica precise importar um maquinário dos Estados Unidos e adquire, para obter essa ferramenta, uma dívida que vai ser paga ao longo de três anos.  Concorda que o valor dessa dívida está em dólar e que ela aumentará quando o câmbio oscilar positivamente?

Agora imagine que um empresário tenha a necessidade de importar equipamentos daqui a seis meses, mas verifica que a taxa de câmbio está excelente para fazer a compra no momento. Será que ele conseguirá o mesmo preço no futuro?

Os dois problemas podem ser resolvidos pelos fundos cambiais. No primeiro caso a fábrica pode fazer um investimento no mesmo valor da dívida, se a obrigação aumenta o fundo dará retorno positivo e cobrirá esse rombo. Por outro lado, se a dívida diminuir com a oscilação do dólar esse excesso recompensará o prejuízo da aplicação. Essa operação é chamada de hedge.

No segundo caso, basta que o empresário invista em um fundo cambial do mesmo valor a ser utilizado para fazer a importação futura. Esse montante acompanhará a oscilação da moeda externa mantendo o poder de compra da moeda constante.

Minicontratos de câmbio

São investimentos muito utilizados por quem não tem excessivo capital para aplicar e quer operar alavancado no mercado futuro. É como um jogo de aposta na alta e na baixa, em suma, representam acordos de compra e venda de divisas selados entre investidores e que serão finalizados em uma data futura.

A essência desta ferramenta é tentar prever quanto valerá o dólar em um período futuro e tirar proveito disso.  O saldo de retorno é a variação positiva ou negativa dessa aposta.

O mercado de câmbio é a maior divisão e possui o maior índice de liquidez do mercado financeiro, já que cada vez mais cresce o volume e a facilidade de realizar transações internacionais. Esse crescimento é sustentado pela busca de desenvolvimento e a velocidade de evolução tecnológica, o que o deve fazer continuar a crescer.

Em parceria com a SpotEX – Assessoria Cambial, desenvolvemos uma calculadora que lhe permitirá calcular o Spread Bancário, que é a diferença percentual entre a cotação da moeda estrangeira comercial e a cotação utilizada pelo banco na hora de realizar a operação; o Lucro Bancário, que é uma variante do spread e o VET – Valor Efetivo da Transação, que é o valor final que foi pago em cada unidade de moeda estrangeira após a aplicação do spread bancário e tarifas bancárias.

Clique aqui para baixar sua Calculadora de Spread Bancário no Pagamento de Invoices!

 

Conteúdos Relacionados:

Entenda a cotação do dólar e a diferença entre o dólar turismo, comercial e paralelo

Assessoria Cambial: por que contratar uma com urgência?

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *