Governança Corporativa

A Governança Corporativa é um conceito difundido e utilizado pelas empresas mais bem consolidadas do mercado. Suas práticas dão a elas vantagens competitivas que garantem o direcionamento estratégico do negócio em direção ao crescimento saudável.

Ela pode ser colocada em prática por organizações de todos os portes e segmentos, trazendo resultados surpreendentes tanto para os empreendedores de primeira viagem quanto para os mais “velhos de casa”.

Se você nunca ouviu falar dela, não se preocupe. Neste artigo, vamos te explicar o que é Governança Corporativa, de onde surgiu e por que é vantajoso aplicar suas práticas no seu negócio. Continue a leitura!

O que é Governança Corporativa?

De acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), a Governança Corporativa é designada como “o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas”.

O conceito de Governança Corporativa surgiu na década de 90, nos Estados Unidos. A GC, como também é chamada, se mostrou como um contra-ataque aos abusos cometidos pelas diretorias das empresas, à ineficiência dos conselhos de administração e às omissões das auditorias externas.

Investidores e acionistas, portanto, se uniram para protestar contra os modelos de administração da época e reivindicar seus direitos. Dessa forma, a Governança Corporativa surgiu como uma forma de regular as relações entre o mundo corporativo e a sociedade e as relações das empresas, interna e externamente.

Mas o que isso quer dizer, exatamente? A Governança Corporativa pode ser resumida, desta forma, como um conjunto de boas práticas, pautadas pela ética, que guiam a diretoria de uma organização. Assim, é possível alinhar as medidas tomadas pela gestão para benefício dos acionistas, dos stakeholders e da própria empresa no mercado.

Quais são os seus pilares?Pilares da Governança Corporativa

A Governança Corporativa se pauta em quatro pilares essenciais. Eles norteiam suas práticas e fazem com que elas sejam eficazes para otimizar os ambientes interno e externo da empresa. São eles:

1. Transparência

O primeiro pilar garante a existência de mecanismos que informem a todos os interessados as informações mais importantes da gestão. Essa transparência não está relacionada apenas a imposições feitas por leis ou regulamentos, mas a tudo que influencie os processos organizacionais e de tomada de decisão. Deve-se informar tudo que diz respeito a cada parte interessada, incluindo fatos positivos e negativos, para garantir confiança interna e externa.

2. Equidade

Se relaciona ao senso de justiça e igualdade. Este pilar prega um tratamento justo, que leve em consideração as particularidades dos sócios e de todas as partes interessadas (os stakeholders).

3. Prestação de contas

 Este pilar se relaciona à necessidade de os agentes da governança assumirem seus atos e responsabilidades prestando contas, não apenas financeiras, do que suas ações resultam em seus respectivos papéis. Ou seja, é necessário que os agentes prestem contas, claras e concisas, relacionadas ao seus atos, omissões e consequências que estes geram, atuando com diligência e responsabilidade na execução de seus papéis.

Leia também: 10 dicas de organização financeira para empresas de pequeno porte

4. Responsabilidade Corporativa

É ter uma visão responsável em relação ao futuro da organização. Este pilar envolve não somente o lucro, mas também a função social da empresa, sua contribuição para a sociedade e seu compromisso com a sustentabilidade. É importante que os agentes zelem pela viabilidade econômico-financeira e sustentabilidade da organização.

Benefícios

Como você já viu, a Governança Corporativa surgiu em um contexto de insatisfação à antiga forma de gerenciar. Portanto, seu maior benefício é “colocar ordem na casa” e delimitar regras que se apliquem a todos, fazendo com que a organização se torne mais organizada, autônoma e produtiva.

Com ela, é possível alinhar as expectativas e os desejos dos stakeholders, criando ações que beneficiem todas as partes. Ela está lado a lado da gestão para aprimorar os processos, ajudar na tomada de decisão, trazer transparência, dar mais credibilidade perante os investidores e contribuir para um desempenho econômico sustentável.

O processo de Governança Corporativa também viabiliza a convivência harmoniosa entre todos os capitais da empresa, sua gestão, a comunidade a qual ela se insere e, no caso de empresas familiares, entre a família. Ou seja, são práticas indispensáveis a todas as empresas que desejam estar constantemente evoluindo e otimizando seus processos.

Aplicação e sucesso da Governança Corporativa na empresaComo aplicar na sua empresa?

Para facilitar a aplicação da GC nas empresas, os professores José Paschoal Rossetti e Adriana Solé desenvolveram uma metodologia denominada 8Ps. No vídeo abaixo, a autora Adriana dá uma breve explicação do seu método:

https://www.youtube.com/watch?v=AZN2Ybg7zTc

Como visto, os autores seguem o princípio de que a aplicação desse sistema deve ser feito levando 8 elementos em consideração. Continue lendo para fixar cada um deles!

1.    Propriedade

Como o capital social está sendo organizado e distribuído? Capital misto, aberto, fechado, familiar e estatal são algumas das várias possibilidades, mas cada empresa funciona de uma maneira.

A metodologia 8Ps tem como objetivo, nesta primeira etapa, medir a coesão entre os acionistas, a sucessão e a blindagem societária.

2.    Princípios

São os princípios que dão a base ética para o desenvolvimento da GC. Por isso, eles precisam ser compartilhados e aceitos interna e externamente.

3.    Propósitos

O propósito da empresa precisa estar bem consolidado e atrelado aos seus respectivos valores. Dessa forma, é possível medir o alinhamento da missão, da visão e do planejamento estratégico do negócio.

4.    Papéis

É importante entender a divisão hierárquica da empresa e como essa relação se desenvolve no dia a dia, na prática. Se essa distribuição de papéis não se torna clara, existem problemas na estrutura de poder.

5.    Poder

É aqui que se discute e analisa autoritarismo X autoridade e as atribuições de uma liderança. Para desenvolver uma boa Governança Corporativa, saber diferenciar um chefe de um líder e desenvolver habilidades para ser legitimado pela equipe é essencial.

6.    Práticas

São as práticas desenvolvidas pelos funcionários da organização. Na GC, é utilizado o Data Driven, que significa o embasamento de todas as ações e decisões da empresa em dados.

Além dele, também é utilizado o GRC: Governança, Risco e Compliance, que tem como objetivo desenvolver uma estratégia de negócios unificada, transparente e de acordo com as leis.

7.    Pessoas

O setor de Recursos Humanos da empresa é analisado para que seja possível medir seu nível de estratégia para manter a cultura organizacional saudável. É importante analisar também como é o clima organizacional e a sucessão em todos os níveis hierárquicos.

8.    Perenidade

Por último, por quanto tempo sua empresa sobreviveria se não houvesse nenhuma inovação? A perenidade diz respeito ao caminho que a diretoria deve tomar para manter o negócio sempre competitivo e inovador.

Restou alguma dúvida? Clique aqui para entrar em contato conosco!

 

Conteúdos Relacionados:

6 dicas para sua empresa crescer

CEO, CFO e COO: você sabe o que significam?

10 dicas de organização financeira para empresas de pequeno porte

3 práticas de governança corporativa essenciais às empresas