cotejamento-contabil-o-que-e

Uma empresa que não faz o levantamento e o cotejamento contábil de seus ativos torna-se vulnerável a riscos que serão muito prejudiciais ao seu desenvolvimento. A falta de controle sobre o ativo imobilizado reflete em uma gestão patrimonial desorganizada, o que inviabiliza a tomada de decisões assertivas em um negócio.

Você consegue imaginar os problemas que podem acontecer em decorrência da ausência do cotejamento contábil na gestão patrimonial?

Veja alguns exemplos:

– Imagine uma fábrica de pães que não realiza a gestão patrimonial e recebe uma grande demanda de produção, para a qual precisará utilizar todos os fornos. Entretanto, alguns não estão em boas condições e outros não foram encontrados no local em que deveriam estar. O dono da empresa não estava esperando por isso e, portanto, não será possível cumprir os prazos exigidos para a entrega dos produtos.

– Esta mesma fábrica não realiza corretamente o registro contábil, o que gera uma omissão de receita. Isso pode acarretar uma autuação fiscal, com incidência de tributos para a fábrica, tornando-se um grande prejuízo.

Estes exemplos são fictícios, mas passíveis de ocorrer. Você já pode perceber que realizar a gestão patrimonial periodicamente possibilita a redução de gastos, a previsão de custos e a otimização do processo de compras e gestão da empresa.

A primeira etapa da gestão patrimonial é a realização do inventário. Logo após, são feitos os processos de levantamento e cotejamento contábil, sobre os quais falaremos neste artigo .

Do que se trata o levantamento contábil?

O levantamento contábil consiste na estruturação ou reconstituição da base contábil de uma empresa.

Este processo é realizado através de pesquisas em notas fiscais, razões, balancetes, balanços, livros diários, projetos e todo e qualquer documento que possibilite a identificação e registro individualizado dos bens na base contábil em estruturação. Assim, obtemos informações detalhadas de cada bem, como:

  • Cadastro;
  • Número da nota fiscal;
  • Data da aquisição;
  • Valor de aquisição;
  • Fornecedor;
  • Classificação por tipo de imobilizado;
  • Descrição do bem.

Através deste levantamento, é possível regularizar a consideração dos bens e individualizar os itens contabilizados por totais em Projetos, Notas fiscais, Ordens de Serviços, entre outros.

Os dados são compilados em um sistema de controle patrimonial e é feita a correção monetária, o cálculo da depreciação dos itens e a conversão de moeda, se houver necessidade.

Logo após, faz-se a conciliação dos dados com as razões (lançamento de todas as entradas e saídas na empresa), para verificar se há ativos que foram lançados na contabilidade, mas não foram considerados no levantamento inicial devido à falta de suporte ou desorganização contábil.

Alguns aspectos importantes para que o levantamento possa ser realizado são:

– A reconstituição da base de dados dos bens patrimoniais deve ser fundamentada na escrituração contábil e documentos fiscais. Além disso, este processo se estende desde a fundação da empresa;

– A nota fiscal dos bens adquiridos nos últimos 5 anos devem estar no sistema de controle e balanço patrimonial, como é exigido legalmente;

– Como somente os bens com residuais contábeis têm influência na empresa, a pesquisa contábil deve se estender até os últimos 10 anos.

O trabalho de levantamento contábil é fundamentado no fechamento dos valores anuais de aquisição. O total aferido nas notas fiscais de aquisição do imobilizado deve ser correspondente ao saldo do Balancete anual.

Desta forma, é possível apresentar um levantamento coerente nos quesitos fiscal e contábil.

Cotejamento contábil: o que é?

A partir do levantamento é feito o cotejamento contábil, também conhecido como conciliação.

Neste momento, para fazer o cotejamento contábil verifica-se se os bens contabilizados existem fisicamente e estão operacionalmente ativos. Além disso, a descrição do ativo é conferida e, em caso de divergência, regularizada.

É comum a constatação de ativos que foram contabilizados, mas não possuem existência física e ativos existentes fisicamente, porém, sem registro contábil. Para que a situação seja adequadamente analisada, são emitidos três relatórios:

  1. Bens conciliados;
  2. Sobras físicas;
  3. Sobras contábeis.

As sobras contábeis e físicas são eliminadas em um processo denominado “saneamento”, ao passo que são descobertos os motivos para tal discrepância e os meios para evitá-la.

Concluindo

Para que o ativo imobilizado esteja sempre sob controle, é ideal que seja feito o acompanhamento de qualquer aquisição, transferência ou baixa de ativos e que estes se encontrem sempre no local indicado.  

Neste processo é fundamental fazer o levantamento e o cotejamento contábil. Dessa forma, o sistema de controle patrimonial é efetivo e cumpre com o seu objetivo: demonstrar a real situação da empresa.

Tão relevantes quanto o levantamento e o cotejamento contábil é a manutenção do controle patrimonial.

Pensando nisso, preparamos um E-book completo sobre Gestão do ativo imobilizado e 12 razões para fazer o controle patrimonial e uma planilha de Controle Patrimonial, ambos gratuitos. Não deixe de conferir!

Para solicitar uma proposta, conversar com um de nossos especialistas ou tirar alguma dúvida, clique aqui.

Conteúdos Relacionados

Controle do ativo imobilizado – como é feito e sua importância

Quais os sinais de que uma empresa precisa fazer controle patrimonial?

Saiba a finalidade e os benefícios da avaliação patrimonial

Como o controle patrimonial afeta no orçamento

2 Comentários

  • Ligia Franco Responder

    19 de abril de 2020 at 16:10.

    A Empresa em questão possui mesas, cadeiras, arquivos de aço, armários, dentre outros…quase todo esse patrimônio sem nota fiscal de compra, posso fazer o controle desse patrimônio mesmo assim?, pois a empresa possui sócios.

    • Investor Responder

      27 de abril de 2020 at 18:02.

      Ei Ligia, como vai?
      Gerencialmente os bens podem ser inventariados e controlados juntamente com os outros bens patrimoniais. Contabilmente ele poderia até registrá-los se fossem considerados como doação. Para tanto será necessário um laudo de avaliação do valor justo, valor residual e definição de vida útil econômica, remanescente e novas taxas de depreciação. Com esse laudo o contador pode incluir os bens no Ativo imobilizado. Para depreciação fiscal a taxa de depreciação deve ser definida com base no Art 322 do RIR/18.
      Espero ter ajudado.
      Abraços

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *